Cultura caiçara

A Mata Atlântica é um dos principais ecossistemas brasileiros e também considerado um dos mais importantes do mundo. Suas florestas exibem milhares de exemplares de vegetais e animais e ainda abrigam importantes comunidades tradicionais como indígenas, quilombolas, jangadeiros e caiçaras,  com o passar do tempo foram aprimorando conhecimentos no que diz respeito a manifestações como danças folclóricas, religiosidade, organização comunitaria, confecção de utensílios domésticos, culinária e manejo sustentável dos recursos naturais.                                                                      No caso das comunidades tradicionais caiçaras da Juréia manifestações culturais que ainda persistem desde a colonização são:

Artesanato

WP_20140715_004

Inicialmente utilizado como utensílio doméstico e para uso na caça, pesca e festas, passou na atualmente a ser comercialializado como artesanato, tendo como principal foco a geração de renda para o que restou dessas comunidades no litoral de São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná. Dentre inumeras formas e utilidades que esses objetos podem ter destacam-se os utilizados para a pesca como redes, jerival, covo, cercos e tarrafa, os utilizados na música como a rabeca, viola, adufo, machete e caixa de folia e também os utilizados nas casas como colher de pau, pilão, socador de feijão, tábuas de cortar carne e enfeites que podem ser peixes, e miniaturas como moendas, monjolos e arapucas.

Mutirão

Como uma das principais fontes de alimento do caiçara é a agricultura, as comunidades adotaram uma maneira muito eficiente de trabalho em grupo para garantir o número de pessoas para empreitadas que empregam grande força de trabalho. Dessa maneira quando uma pessoa quer fazer uma roça convida todos os parentes e amigos para que o ajudem  em tal empreitada, onde trabalham o dia todo se necessário e após o término do serviço o dono da roça oferece como forma de pagamento, além da alimentação do dia, um baile de fandango onde todos os envolvidos no multirão se divertem até clarear o dia.

Utilizando essa mesma forma de construção coletiva que é o mutirão, estamos reformando a nossa sede, que esta perto de ser inaugurada, pois falta apenas a parte de acabamentos.

Veja os vídeos a baixo:

Fandango Caiçara

O Fandango Caiçara é um gênero musical e coreográfico, que é associado ao modo de vida dos caiçaras. Se define em divertimento, religiosidade, música, dança, saberes e fazeres. Sua prática está relacionada ao trabalho coletivo como nas puxadas de rede, em mutirões e puxirões (roçar, derrubar, cavar, plantar roças). O vizinho beneficiado oferece em troca, o fandango à noite com comida farta, onde as pessoas se reúnem para um baile, com danças regionais. Além dos mutirões, o fandango caiçara está presente em várias festas religiosas e, especialmente, no carnaval durante os quatro dias de festa. O Fandango Caiçara se classifica em batido e bailado ou valsado, essas diferenças se definem pelos versos e toques. Nos bailes de fandango, se estabelecem trocas e diálogos entre gerações, relembram modas e passos, facilitando a memória e prática das diferentes danças. Envolve diversas formas de execução dos instrumentos musicais, melodias, versos e coreografias. A formação instrumental básica normalmente é composta por dois tocadores de viola, que cantam as melodias em intervalos de terças e por um tocador de rabeca, chamado de rabequeiro. Cada forma musical, definida pelos violeiros, é chamada de moda, e possui toques e danças específicas, que se dividem, basicamente, em duas categorias: os valsados ou bailados – dançados em pares por homens e mulheres, com coreografias específicas. Cuja área de ocorrência abrange o litoral sul do estado de São Paulo e o litoral norte do estado do Paraná. Em 2011 o Fandango foi agraciado, pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional como o primeiro bem imaterial do sul do Brasil por suas características particulares das culturas que colonizaram as regiões do litoral sul paulista e paranaense. (Auto(a):Vanessa Honorato)

Manejo dos recursos naturais

O manejo dos recursos naturais pelos caiçaras se dá de uma forma natural, onde seu costumes herdados da mixigenação com  tribos indigenas troxeram um grande arcaboço de conhecimento principalmente no que se refere aos empregados na agricultura, pesca e caça, sendo assim na agricultura a tecnica utilizada pelas comunidades caiçaras que habitam a região sul do Estado de São Paulo é conhecida como uma das formas que causam menos impacto ao meio ambiente, tendo em vista que está baseado em uma forma de rodísio de utilização da terra. Esse método se baseia na observação de queimada da floresta por causas naturais, sendo isso replicado em benefício da agricultura para subsistencia. O uso da terra acontece da seguinte forma, inicialmente o morador vai até uma área de seu interece e verifica a topografia do local e as espécies vegetais existentes, através dessa averiguação ele consegue definir se a terra na quele local é propícia ou não para o plantio. Uma vez escolhida a área é roçada, posteriormente derrubada e após um periodo para secagem das folha e galhos mais finos é feita a queimada, que por sua vez acontece de maneira rápida e controlada. Um detalhe importante é que nessa tecnica não é feito o destoque dados troncos oriundos das arvores derrubadas, de forma que após a queimada rápida ainda é possivel a visualização dos mesmos na área. Então após a queimada é retirada os madeira restantes e posteriormente é feito a cavação para o plantio das ramas de mandioca.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s