I Encontro de Educação Popular e Cultura Caiçara na AJJ – Iguape/SP

Breve Relato do Encontro 

Na tarde de sábado, dia 11 de julho de 2015, aconteceu o I Encontro de Educação Popular na AJJ/Barra do Ribeira/Iguape. Tocado pelo aroma do café no bule e do saboroso bolo de roda partilhado em torno do fogão a lenha, o encontro foi iniciado com a mediação da caiçara, monitora ambiental e pedagoga Adriana Lima do bairro do Guaraú/Peruíbe que chamou Dauro Marcos do Prado e Helder dos Santos de Oliveira para compor a mesa no primeiro momento da discussão.

Com a palavra, Dauro que é caiçara, educador popular, integrante da União dos Moradores da Jureia – UMJ e membro titular da Comissão Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais (CNPCT)  discorreu a respeito da educação Popular que acontece nas comunidades tradicionais da Jureia desde a criação da Estação Ecológica da Juréia em 1986. Lembrou do movimento de criação da Escola Caiçara da Juréia – ECJ e a parceria que, entre outros, contou com a participação ativa das educadoras da UNICAMP, Alik Wunder, Luiza Alonso e do professor Antonio Carlos Diegues Sant’Ana, NUPAUB/USP. Disse ainda que a educação popular praticada pelos caiçaras constitui um espaço de resistência diante do racismo ambiental que é propagado pelas políticas ambientalistas que vem ao longo das décadas vem restringindo o modo de vida caiçara.

Quanto à fala do professor Helder, caiçara de coração, residente no município de Cananéia e conselheiro da APEOESP- Vale do Ribeira (OPOSIÇÃO), versou sobre a intencionalidade política da educação pública, mas citando a os artigos da LDB, disse da possibilita que a comunidade tem de participar do espaço escolar para garantir a realização da educação diferenciada através da discussão junto à elaboração do Projeto Político Pedagógico (PPP) da escola. Enfatizou ainda que o trabalho que a Ajj vem desenvolvendo é fundamenta para a resistência e permanência das comunidades nos territórios da Jureia lembrando, como exemplo, a Cachoeira do Guilherme que hoje vive abandonada.

Na conclusão do primeiro momento, a vice-diretora da Escola Estadual Sebastiana Muniz Paiva, professora Silvia, comentou sobre o trabalho que vem desenvolvendo na escola, junto à gestão escolar, sobretudo na escola da família, onde tem se esforçado para que a comunidade tenha mais presença e ação junto ao espaço escolar, mas reconhece a dificuldade. Falou ainda que a AJJ tem contribuído com as atividades educacionais bem como outras instituições do bairro. José Mário (Major), pescador, pedreiro, educador popular, biólogo, vice- presidente da UMJ também fez considerações e testemunhou sua experiência enquanto monitor ambiental na Barra do Ribeira pela extinta Associação de Monitores Ambientais de Iguape- AMAI quando conheceu a professora Alik Wunder que interagiu no processo e relatou a experiência na sua dissertação de mestrado pela UNICAMP intitulada “ Encontro das Águas na Barra do Ribeira: Imagens entre experiência e identidades na escola.

Durante o intervalo do café foi apresentada a exposição “ Retratos caiçaras” desenvolvida em parceria entre a UFSCAR e a AJJ como parte integrante da dissertação do professor Paulinho coma orientação da professora Dulce. No segundo momento e também no primeiro, foi apresentado vídeos sobre a história da AJJ e do projeto Criqué Caiçara. Em seguida, a mediadora Adriana chamou para compor a mesa o professor Paulinho e a Professora Dra. Dulcinéia de Fátima Ferreira Pereira (professora Dulce), sua orientadora de mestrado pela Universidade Federal de São Carlos- campus de Sorocaba.

A fala do professor Paulinho foi orientada pelo seu percurso como educador na Escola Caiçara da Jureia que teve inicio em 2003. Após o fechamento da escola na Cachoeira do Guilherme em 2004, continuou seu trabalho docente nas escolas estaduais do município de Iguape e Ilha Comprida (entre elas a Escola Sebastiana Muniz Paiva onde continua atuando) também como educador popular pela AJJ. Mediando a educação formal e não-formal, o professor Paulinho atuou, a partir de 2006, na gestão do Ponto de Cultura da AJJ onde nasceu a ideia da oficina de fandango. Levando as atividades oficineiras para as escolas, com objetivos discutir a cultura caiçara e o fortalecimento da identidade local, nasceu a ideia de sistematizar o projeto em pesquisa de mestrado. Com apoio da AJJ, o professor Paulinho pesquisou durante dois anos a experiência da oficina de fandango como vivência de educação popular que contou com a orientação da professora Dulce.

Fechando a fala do segundo momento, a professora Dulce, mineira, sensível às cosias simples da vida, compartilhou sua experiência de professora da UFSCAR-Sorocaba. Em sua explanação, sobre sua experiência com educação popular, relatou o processo de orientação da pesquisa do professor Paulinho, sua opção pela cultura caiçara de coração e enfatizou a importância da pesquisa realizada junto a AJJ para resistir a lógica do capital que torna desacreditada a vida. Disse ainda que, conforme Paulo Freire, a educação é política e que a escola pública tem sua intencionalidade e que por isso dificulta a ação daquilo que não esteja dentro da ideologia do Estado, mas que é necessário abrir brechas para valorizar e trabalhar os saberes populares. Citando Carlos Brandão, em seu livro pesquisa participante, a professora Dulce falou também dos “meios gritos” que junto formam o “grito inteirado” o que ela comparou com o trabalho que vem sendo desenvolvido pela AJJ. Por fim, colocou-se a disposição para contribuir no fortalecimento da discussão sobre Educação Popular entre AJJ e a Universidade.

Após o encerramento das falas, abriu-se o espaço para fala do grupo. André Luiz (Leco), ex-monitor ambiental pela AMAI , advogado e mestre em direito ambiental, fez suas considerações a respeito de sua experiência com educação ambiental na Escola Estadual Sebastiana Muniz Paiva de onde partiu para seus estudos superiores.

Na sequência houve outros questionamentos que foram levantados pelo pesquisador Rodrigo da Unicamp sobre o futuro da Escola Caiçara da Jureia e de como trabalhar a educação popular no âmbito regional, lembrado por Major.

Enquanto encaminhamento foi pré-combinado o II Encontro de Educação Popular para dia 19 de setembro de 2015 na comunidade caiçara do Grajaúna/Jureia. O professor Paulinho ficou responsável de dar continuidade ao diálogo através dos contatos registrados em lista de presença e também de providenciar a certificação do encontro.

Por fim, o I Encontro de Educação Popular na AJJ teve como objetivo apresentar a comunidade o resultado da pesquisa de mestrado e lançar novos olhares sobre os saberes da Cultura Caiçara da Juréia.

Comunicação AJJ.

Barra do Ribeira, 13 de julho de 2015.

11751135_10153483878872743_1813402297_n 11749665_863105703754634_1379617798_n 11749615_10153483879452743_231196295_n 11748775_10153483878097743_2006088845_n 11748638_863105487087989_1397646103_n 11748579_863105653754639_1956692391_n 11741716_10153483878512743_998316975_n 11736980_10153483878692743_753889144_n (1) 11733396_863105423754662_830321320_n 10744533_10153483877697743_497720781_n 11733396_863105423754662_830321320_n 11739476_863105460421325_1572256722_n

Anúncios

Sobre ajjureia

"Sou fruto da necessidade de defender os direitos, de gerar alternativas para melhoria de vida e de resgatar e divulgar a riqueza da cultura tradicional caiçara".
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para I Encontro de Educação Popular e Cultura Caiçara na AJJ – Iguape/SP

  1. Professor Paulinho disse:

    Em nome da AJJ, quero deixar meu extenso agradecimento à todos que ajudaram e estiveram presentes no I Encontro de Educação Popular e Cultura Caiçara na AJJ. Agradecer em especial a Professora Dulce que me orientou na pesquisa de mestrado. Que venha o II encontro no Grajaúna em setembro. Abração à todos , professor Paulinho.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s